quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Um Grande Abismo

Abraão disse ao homem rico: “Está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que querem passar daqui para vós outros não podem, nem os de lá passar para nós” (Lucas 16:26)

Não existia nenhuma possibilidade de alívio para o rico que se encontrou na agonia da chama. Um grande abismo o separou de Lázaro, que estava no seio de Abraão. Nenhuma água viria para amenizar o sofrimento do rico e resfriar a língua dele. A finalidade desta conclusão é horrível demais para compreender e, por isso, evitamos pensar nesta possibilidade para nós ou até para outras pessoas.
O abismo foi posto e os destinos destes dois homens, decididos. Um teria conforto eterno, e o outro, agonia sem fim.
Antes de estes homens morrerem, tiveram todas as opções, oportunidades sem fim. Havia um grande abismo que os separava na vida, mas teria sido possível atravessá-lo. O rico tinha oportunidade para atravessar aquele abismo e aliviar o sofrimento de Lázaro. Era preciso mostrar amor e preocupação para com o outro, e ele tinha condições para fazer isso. Quando viu Lázaro à sua porta, poderia ter espantado os cães, levantado o mendigo e, com a ajuda dos seus servos, poderia ter lavado as feridas e colocado curativos. Lázaro, vestido em roupas limpas de púrpura e linho fino, sem mau cheiro ou manchas, poderia ter sentado à mesa do rico para saborear sua comida deliciosa.
A generosidade e a bondade do rico teriam animado todos que o conheciam; Os irmãos – aqueles com quem ele se preocupou quando já era tarde demais – poderiam ter sido influenciados pela ajuda dada pelo rico ao mendigo, a quem ele agora estaria tratando como irmão. Quando morressem, Lázaro e o rico poderiam ter continuado a cear à mesa do Senhor no seio de Abraão. Que possibilidade maravilhosa! Que realidade trágica!

Satanás cria abismos falsos nas nossas mentes. Estes abismos levam muitos à beira daquele abismo fixo na eternidade sobre o qual eles vão olhar com desejo, mas sem esperança. Não podemos deixar Satanás nos enganar assim. Deus revela ao nosso coração, por meio da palavra dele, as oportunidades sem fim de uma vida abençoada.

Avareza, egoísmo, miopia espiritual, animosidade e ignorância são abismos que podem ser atravessados agora, se deixarmos Deus mostrar o caminho.

“Graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão” (1 Coríntios 15:57-58).

sábado, 14 de agosto de 2010

PERDÃO - Ef. 4:32

Era uma vez um rapaz que ia muito mal na escola. Suas notas e seu comportamento eram uma decepção para seus pais que sonhavam em vê-lo formado e bem sucedido. Um belo dia, o bom pai lhe propôs um acordo: Se você, meu filho, mudar o comportamento, se dedicar aos estudos e conseguir ser aprovado no vestibular para a Faculdade de Medicina, lhe darei então um carro de presente. Por causa do carro, o rapaz mudou da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar. O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Sabia que a mudança do rapaz não era fruto de uma conversão sincera, mas apenas do interesse em obter o automóvel. Isso era mau! O rapaz seguia os estudos e aguardava o resultado de seus esforços.
Assim, o grande dia chegou! Fora aprovado para o curso Medicina. Como havia prometido, o pai convidou a família e os amigos para uma festa de comemoração. O rapaz tinha por certo que na festa o pai lhe daria o automóvel. Quando pediu a palavra, o pai elogiou o resultado obtido pelo filho e lhe passou às mãos uma caixa de presente. Crendo que ali estavam as chaves do carro, o rapaz abriu emocionado o pacote. Para sua surpresa, o presente era uma BÍBLIA. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse. A partir daquele dia, o silêncio e a distância separavam pai e filho. O jovem se sentia traído e, agora, lutava para ser independente. Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus da Universidade. Raramente mandava noticias à família. O tempo passou, ele se formou, conseguiu um emprego em um bom hospital e se esqueceu completamente do pai.
Todas as tentativas do pai para reatar os laços foram em vão. Até que um dia o velho, muito triste com a situação, adoeceu e não resistiu. Faleceu. No enterro a mãe entregou ao filho, indiferente, a BÍBLIA que tinha sido o último presente do pai e que havia sido deixada para trás.
De volta à sua casa, o rapaz, que nunca perdoara o pai, quando colocou o livro numa estante, notou que havia um envelope dentro dele. Ao abri-lo, encontrou uma carta e um cheque. A carta dizia: "Meu querido filho, sei o quanto você, deseja ter um carro. Eu prometi e aqui esta o cheque para que você, escolha aquele que mais lhe agradar. No entanto, fiz questão de lhe dar um presente ainda melhor: a BÍBLIA SAGRADA. Nela aprenderás o Amor a Deus e a fazer o bem, não pelo prazer da recompensa, mas pela gratidão e pelo dever de consciência". Corroendo de remorso, o filho caiu em profundo pranto.
Como é triste a vida dos que não sabem perdoar. Isto leva a erros terríveis e a um fim ainda pior. Antes que seja tarde, caro leitor, perdoe aquele a quem você, pensa ter lhe feito mal.

ANTES, SEDE UNS PARA COM OS OUTROS BENIGNOS, COMPASSIVOS, PERDOANDO-VOS UNS AOS OUTROS, COMO TAMBÉM DEUS, EM CRISTO, VOS PERDOOU.
Efésio 4:32

(autor desconhecido)